Sábado 25 Outubro 2014
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • Todos
  • Vídeo
  • Carro Do Mes
  • Padrão
  • Título
  • Data
  • Random
Carregar Mais / mantenha a tecla SHIFT para carregar tudo Carregar Todos
  • O Clube
  • Pointer
  • Logus

 

O Clube

O Clube do Logus e Pointer é dedicado a todos os amantes de carros, especialmente aos proprietários dos Volkswagens Logus e Pointer, fabricados pela AutoLatina S.A, que foi a fusão das multinacionais Volkswagen e Ford no Brasil entre 1987 à 1996.

Extinta, a AutoLatina deixou como seus últimos "frutos" o Logus e o Pointer, ambos possuindo o que há de melhor das duas fábricas: o acabamento impecável da Ford, e a potência e durabilidade dos motores Volkswagen.

O Clube do Logus e Pointer surgiu em 10 de dezembro de 2004, com o foco principal de reunir em um canal virtual os proprietários desses carros para trocarem experiências e informações. Com isso, fazemos regularmente encontros nos diversos estados do Brasil.
O Clube agradece pela sua visita e participação!

 


 

Volkswagen Pointer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Volkswagen Pointer foi um automóvel fabricado pela Volkswagen no Brasil na década de 1990.

Resultado da Autolatina (parceria firmada entre a Volkswagen e a Ford no Brasil) gerou, entre

outros, os modelos híbridos Escort/Pointer e Verona/Logus. O Pointer é um facelift do Escort de 5a geração

(2a geração no Brasil), adicionando farois, lanternas, para-choques e interior no estilo Volkswagen. Outubro de 1993. A imprensa é apresentada ao Pointer, nas versões CLi 1.8, GLi 1.8 e 2000 e o esportivo GTi 2000, todas equipadas com injeção eletrônica Fic. Desenvolvido sob a plataforma do novo Ford Verona, por possuir 4 portas, design mais agressivo que o Logus e tendo reunido o inédito conceito para o modelo GTi: Um esportivo confortável e de quatro-portas. Possuía um design limpo e com a ausência de saliências. Era um Hatchback de forma robusta,com enorme vidro traseiro, levemente convexo e duas janelas vigias após a segunda porta, com colunas fixas para não prejudicar em nenhum momento a visibilidade do motorista. mesmas características técnicas em relação ao seu irmão Logus, tendo como diferença os freios à disco nas 4 rodas, a ausência da motorização 1.6 devido ao seu maior peso, e no lançamento este veio no começo equipado com injeção eletrônica Bosch Le-Jetronic, sendo que os primeiros modelos 2 litros do Logus não vieram com esta injeção, e sim com o malfadado carburador eletrônico. O modelo GTi, vinha com um grave erro de fabrica pois tinha uma relação de quinta marcha muito curta, o que fazia o motor girar a quase 3500 rpm a 100 km/h, sendo que carros de cilindrada e potência semelhantes possuíam motor que gira por volta de 2800 rpm. O problema foi sanado em julho de 1994, com a adoção de uma relação de quinta marcha mais longa, reduzindo consumo, ruído e melhorando a sua velocidade máxima consideravelmente. O modelo foi produzido na Argentina, tendo uma boa aceitação naquele mercado, com isso nós contamos com algumas unidades Argentinas rodando por aqui, e o mesmo ocorre lá. O carro chegou a participar de um campeonato de Multi-marcas por lá.  Como o modelo foi lançado em 1994 já com injeção eletrônica, as suas únicas mudanças na linha 95/96 foram os pára-choques pintados para os modelos CLi e GLi e a mudança na padronagens dos tecidos igual ao sedã. Na linha 1996, foi apresentado nova forração em veludo, muito mais sóbria, bonita e confortável (Igual ao Logus Wolfsburg), volante e manopla em couro para o esportivo GTi, novas rodas aro 14, usadas futuramente no Pólo Classic

Atualmente, o nome Pointer designa o VW Gol brasileiro que é exportado para o México.

 

 

Nomes
alternativos

Na Europa, VW Pointer é o nome do brasileiro Volkswagen Gol

Produção 1994 — 1996
Fabricante Volkswagen
Modelo
Classe Hatchback de 5 Portas
Carroceria 3 Volumes
Ficha técnica
Motor 1.8 e 2.0 com Injeção Eletrônica monoponto e multiponto
Transmissão Manual de 5 marchas
Layout Motor transversal com Tração Dianteira
Dimensões
Peso 1190 kg
Modelos relacionados Volkswagen Logus
Chevrolet Kadett
Fiat Tipo
Ford Escort
Cronologia

História

A história do Volkswagen Logus começou quando a Volkswagen sentiu necessidade de colocar em sua linha de produtos um novo sedan médio, já que o Apollo mostrou-se um grande fracasso comercial. Com a Autolatina, uma joint-venture com a Ford, surgiu o projeto de usar como base a segunda geração do Escort nacional. Ao invés de fazer uma cópia do modelo da co-irmã, que já não tinha dado certo com o Apollo, a Volkswagen resolveu apenas usar a mesma base mecânica, mas por fora tinha que mostrar ao público que era um produto novo. A idéia seria ainda aproveitar a mão-de-obra da Ford, produzindo os carros na Unidade do Taboão, em São Bernardo do Campo (SP), de onde também saia os modelos Escort, Verona, Hobby e Pampa.

Os desenhos do novo projeto tiveram início nos estúdios da Ghia Design, em Turim, Itália, e foi finalizado no Brasil pelos designers daVolkswagen, com a liderança de Luiz Alberto Veiga, também conhecido como o "pai" do Fox. O carro contava apenas com versões duas portas, o que lhe dava uma certa esportividade, assim como evitava uma briga interna, pois a Ford já tinha um sedan quatro portas pronto para ser lançado, no caso, o Verona. Enfim, era um carro moderno, com uma aerodinâmica notável até então: coeficiente aerodinâmico (Cx) de 0,32, um dos mais baixos índices da época.

1992: O ano do lançamento

O lançamento do Volkswagen Logus aconteceu em março de 1992 e inicialmente era oferecido nas versões CL, GL e GLS. A primeira (básica) trazia poucos equipamentos de série com motores carburados de 1,6 litros (de origem Ford, o AE-1600) e de 1,8 (esse sim Volkswagen, o AP-1800). A intermediária GL tinha alguns acessórios a mais, como vidros verdes, rádio e espelho no pára-sol. E a top de linha, a GLS, contava com itens de série tais como: vidros, travas e espelhos com acionamento elétrico, um até então inédito rádio toca-fitas com amplificador e equalizador, que equipava também a versão XR3 do Ford Escort. faróis de neblina, espelho no pára-sol com luz e volante com altura regulável entre outros. Essas duas últimas versões contavam apenas com motores 1,8.

A inovação do modelo equipados com motor 1.8 a gasolina estava no inédito "carburador eletrônico", onde o afogador funcionava automaticamente e a rotação da marcha lenta era mantida sempre estável. A borboleta de aceleração e a válvula eletromagnética de marcha lenta eram controladas por um microprocessador, assegurando a confiabilidade do sistema. O seu câmbio era acionado por cabos (um cabo para seleção, outro para o engate), ao invés do tradicional varão, sendo semelhante ao do Golf alemão. Esse câmbio era conhecido por MQ. 

1994: Chegou o motor 2 litros

A partir de 1994, a Volkswagen passou a adotar no modelo GLS o motor AP-2000 e encurtou o diferencial de todos os modelos em 14%, ajudando enfim o desempenho. Inicialmente, o motor AP-2000 era oferecido com o malfadado "carburador eletrônico", que acabou dando muitas dores de cabeça aos seus proprietários. De qualquer forma, o carro ganhou muito em desempenho com as modificações feitas. Nesse ano, a montadora também abandonou o motor AE-1600 na versão CL a favor do AP-1600. A versão GLSi fabricada no final de 1994, já possuía a injeção multiponto FIC, citada abaixo.

1995: A era digital

A grande novidade preparada para 1995 estava na adoção da injeção eletrônica, começando pelo GLSi equipado com motor de 2,0 litros. Com uma injeção multiponto (FIC Digital EFI-D), o carro obteve um desempenho surpreendente alcançando a marca de 194 km/h nos testes da Quatro Rodas, passando a ser considerado o Volkswagen mais rápido produzido no Brasil. Nos modelos CLi (motores de 1,6 e 1,8 litros), a injeção era monoponto (FIC Digital CF1-D).

Ainda em 1995 foi lançado o modelo "Wolfsburg Edition", uma homenagem da filial brasileira à cidade que abriga a sede da matriz. O grande destaque estava no acabamento diferenciado (principalmente o interior todo em veludo), rodas de liga leve de 14" e nos faróis estendidos do Volkswagen Pointer, com unidades de longo alcance junto à grade, porém perdendo acessóriosrequintados como o CD player com equalizador digital. O motor também recebeu algumas melhorias técnicas, que chegava a alcançar 120 cavalos de potênciana versão a gasolina e 123 cavalos de potência na versão a alcool, que por sua vez foram produzidas poucas unidades diferenciada pelo brasão com fundo branco.

1996: Destino traçado

Em 1996 o destino do Volkswagen Logus já estava traçado. Com o fim da Autolatina em outubro de 1996, Volkswagen e Ford fizeram um acordo de cavalheiros que previa a manutenção do suporte dos produtos híbridos por um ano. Para a Volkswagen, não era economicamente viável comprar todo o ferramental a fim de continuar produzindo o carro em uma de suas fábricas, que também não possuíam espaço físico para uma nova linha de montagem. A linha daquele ano apresentava mudanças apenas nos tecidos, calotas e pára-choques pintados para ambos os modelos e somem as versões CL, GL e GLS, ficando agora como 1.6i, 1.8i (possuindo maior leque de opcionais para as versões, podendo se mesclar o padrão de acabamento GL ao motor 1.6) e o "Wolfsburg Edition".

1997: O fim

Algumas unidades do Volkswagen Logus foram feitas em 1997 com peças sobressalentes produzidas no ano anterior. Foram pouquíssimas (estima-se cerca de 1.000 carros) e ele acabou saindo de linha. Numa tentativa de tapar o buraco com a ausência de um sedan médio em sua linha, a Volkswagen resolveu trazer da Argentina o modelo Polo Classic.

Volkswagen Logus
Produção 1993 – 1997
Fabricante Volkswagen
Modelo
Classe Cupê Médio
Ficha técnica
Motor AP 1600
AP 1800
AP 2000 /AE 1600
Transmissão Manual de 5 Marchas
Dimensões
Comprimento 4276 mm
Largura 1695 mm
Altura 1372 mm
Peso 1110 Kg
Modelos relacionados Volkswagen Pointer
Ford Verona
Cronologia
Último
Último
Volkswagen Apollo
Volkswagen Polo Classic  

Publicidade